Garrafa Desasnada 4 – Certificações

Desasnar o vinho …. não é fácil, pois com ou sem intenção muitos pontos importantes são ocultos ao bebedor comum, reles mortal….

Temos que deixar claro que quando “no bar” começam a falar de vinho orgânico…. normalmente é conversa de bar mesmo, mistura-se tudo, princípios, lendas, desinformação, goles (hic…), legislação, crenças, experiências, “ouvi falar”… Desasnar não é afirmar mais uma verdade e sim trazer à tona as várias verdades, e adaptar, crescer, aprender… é um contínuo na vida…. DESASNANDO as CERTIFICAÇÕES FAZER VINHO ….

logos organicos 1CERTIFICAÇÕES

Existem diversas certificações Orgânicas pelo mundo, mais ou menos restritivas em seus limites. Num nível mais restrito, que permitem menos insumos,  que as certificações orgânicas temos as certificações biodinâmicas. Existem diversas certificações biodinâmicas pelo mundo também, todas inspiradas ou ligadas à Demeter Intl.  Existem diversas outras certificações/selos camponesas, ligadas a associações, etc… todas a mais restritas que as orgânicas de base. Na França vale citar: Nature et Progrès, AVN (Associação de Vinhos Naturais), S.A.I.N.S. (Sem Nenhum Insumo externo Nem Sulfitos)…

Esses selos, associações, etc são ligados por vezes ao cultivo das uvas, por vezes ao cultivo das uvas e ao processo, e às vezes pela visão global e princípios comuns do “fazer vinhos”.

NOSSOS VINHATEIROS

Todos eles cultivam os vinhedos em biodinâmica ou agricultura orgânica, e a totalidade é certificada orgânica. Além da certificação orgânica eles possuem outras certificações, muito mais exigentes, ou participam de grupos que partilham as mesmas visões de interdição de químicos de síntese. com exceção de SO2 em doses homeopáticas.

Milan – AB France > não apresenta nada marcado nas garrafas
Padié – AB France > não apresenta nada marcado nas garrafas
Colombière – AB France + biodyvin > não apresenta nada marcado nas garrafas
Sénéchalière – AB France > não apresenta nada marcado nas garrafas
Mortier – Bio Europa + AB France + Nature et Progrès
Pothiers – EcoCert + AB France

Mas a opção deles de, na sua maioria, não indicarem os selos é para que seu vinhos sejam reconhecidos, comprados e bebidos como bons vinhos e não como “orgânicos”. Exemplo extremo, mas pertinente: Domaine de la Romanée-Conti são consumidos pela sua qualidade e não por utilizarem biodinâmica, ou por terem ou não o selo orgânico.

A questão que eu deixo no ar: “o que é mais importante: o selo de certificação ou a confiança no circuito curto de pessoas?” Simplificar o mundo é confiar mais nas pessoas !