Andando pela França

Andando pela França – Navegar é preciso viver não é preciso….

neste mês passamos pela Champagne, pelo Jura, pelo Vale do Loire no Angevin (perto de Angers) e na Touraine (perto de Tours) e pelo Roussillon (a Catalunha Norte)…

A Champagne é uma das regiões mais industriais do universo vitícola francês. Somente para ter uma idéia: há um rumor forte que o total de litros de champagne produzida não confere com a extensão do vinhedo, havendo muito mais garrafas de champanhe produzidas do que uvas para enchê-las…. a discussão é sem fim pois envolve grandes grupos, seguradoras, ações, Hungria, etc… Tudo isso para dizer como é mais delicada a busca de um bom Champanhe natural. Os pequenos produtores estão crescendo, mais e mais vinhateiros em conversão para a agricultura orgânica que ainda resta marginal na região … E na vinificação a distância é ainda maior…. natural é a raridade !

 

 

 

 

No Jura a situação é a inversa à Champagne, mais de 20% do vinhedo em agricultura orgânica certificada… Jorat, na Suíça e Jura na França… a mesma região e quase a mesma fonética …. muitos pequenos produtores, grande tradição de vinhos limpos e naturais. Pequenas parcelas, em meio a florestas, riachos e vilarejos de sonho… Já os vinhos, que caíram nas graças estadunidenses e assim de outros países, tem uma grande variedade de terroirs, com vinhos de qualidade e castas locais. O desafio é encontrar um legal, desconhecido, de qualidade excepcional, à preços que consigamos trabalhar no Brasil, pequeno produtor, com forte empatia, altas qualidades humanas, valores comuns, etc etc…

No Vale do Loire, …. o rio Loire e seus afluentes ditam as regras, amenizando o clima, e enriquecendo os variados solos beirando os quase 1000 km de extensão do Rio Loire, do centro da França até o Oceano Atlantico, criando a maior região vinícola da França. Os inúmeros micro-climas e as diversas castas de uvas utilizadas montam um quebra-cabeça gustativo que favorece o desenvolvimento de pequenos vinhateiros criando vinhos digestos e vivos. Serpentear os meandros do Rio Loire parando para um pique-nique, para um restaurante, para uma visita a um castelo ou a um vinhateiro, para um encontro com amigos ou mesmo para uma volta de bicicleta, são experiências humanas ricas e únicas.

E no Roussillon (a Catalunha Norte)…. sol de 46 graus, mar, montanha, ouvindo e entendendo um pouco de catalão, busca do equilíbrio nos vinhos…. Região pequena e pouco conhecida, que esconde grandes vinhateiros e grandes vinhos…. Beirando a Catalunha Sul (a espanhola) características dos vinhos atravessam a fronteira nos dois sentidos criando uma região compita variedade de terroirs e de micro-climas e com isso propiciando belas descobertas…
<<Você já foi à Catalunha, nêga?
Não?
Então vá!
Quem vai ao “Canigou”, minha nêga,
Nunca mais quer voltar.
Muita sorte teve,
Muita sorte tem,
Muita sorte terá>>
parodiando Dorival….