Roses mitos e fatos…

Sempre achei que o rosê é um belo vinho para um pais de gastronomia variada e temperatura alta como é o caso do Brasil, mas isso era minha visão pessoal…. Para colocá-la à prova decidi começar a levar mais rótulos de vinhos rosê…

Muita gente no Brasil (e no resto do mundo) tem seus preconceitos com os vinhos rosês, que em português eu chamaria de vinhos rosa, mas isso é outra história… e esse preconceito pode vir de varias fontes: mito que o vinho rosê é a mistura de vinho tinto com branco, mito que todo rosê não tem qualidade, mito que todo rosê é doce, mito que todo rosê é feito rapidamente – logo sem complexidade, mito que os vinhos rosês são feitos em grande volume, mito que os vinhos rosês servem apenas para beira de piscina, mito que os vinhos rosês não acompanham refeições, sentimento que o vinho rosê deveria ser mais barato….

Não vou entrar na argumentação escrita, nem semântica, nem filosofia, nem enológica….

Proponho uma prova infalível e factual: degustar a nossa seleção de rosês naturais franceses de variados produtores, variadas uvas, variados métodos, várias regiões…

1. Alegria Rosé 2016 – Domaine Vallat D’Ezort – Gard/Languedoc
2. Vin Gris 2016 – Domaine La Colombière – Fronton/Sudoeste
3. Rosé de Meunier N.S. – Champagne Laherte Frères – Champagne
4. Calice 2016 – Domaine Jean-Philippe Padié – Calce/Roussillon – é um tinto, mas no Brasil é visto como rosé ! sei lá… eu vendo como tinto e os clientes compram como rosê…

 

Depois disso acho interessante quem beber, postar no Instagram  – nos tagando @garrafalivre #rosedagarrafa – com as suas visões !

E rapidamente as visões serão compartilhadas…