Bem vindo BAZZAR no Rio

Aos pouco vamos chegando a novos restaurantes que se sensibilizam por nossa seleção de vinhos naturais franceses ! Num outro tempo eu escutaria chamar isso de avanço comercial, hoje , claramente, são sincronicidades….. poc a poc…..

Bem vindo Bazzar, bem vinda Cris Beltrão e equipe !

Bazzar, Rua Barão da Torre, 538 , Ipanema, Rio de Janeiro – RJ Tel.:(21) 3202-2884

Bazzar

@bazzar @crisbeltrao

Destaque de Abril 18 – P’Tite Vadrouille 2016

P’Tite Vadrouille um vinho de solidariedade. Desde o início da Garrafa Livre, temos a constante preocupação de criar relações duradouras e de confiança com os vigneron fornecedores e sobre essas relações construir o negócio de importação de vinhos.

Em 2016 o clima foi muito duro e alguns vigneron perderam quase toda a colheita com geadas subsequentes, e granizos em momentos delicados da evolução das vinhas… Assim aconteceu com o Domaine du Mortier, em St-Nicolas de Bourgueil, Vale do Loire … perderam 75% de suas uvas !

Os irmãos Boisard, não deixaram a peteca cair: financiamento participativo e pé na estrada para comprar uvas de amigos…. disso tudo nasceu a P’Tite Vadrouille (que eu traduziria livremente como Rolezinho), maceração carbônica de uvas Cabernet Franc e um pouco de Merlot, orgânicas – é claro….

Rootstock 2018

Mais uma vez, estivemos presentes como voluntários no Domaine Causse Marines, dos adoráveis Patrice e Virginie para ajudar a fazer acontecer o Rootstock 2018, este ano… acho que mais de 800 pessoas passaram nos dois dias de sol, música, vinho e vida…. perto do vilarejo de Vieux (sim, traduzindo o nome desse vilarejo seria Velho… dá pra imaginar?). Chegamos sexta feira para participar do esquenta, pizza no forno a lenha e vinhos dos vinhateiros que chegavam também… dormimos perto num gite de amigos do Causse Marines… e sábado cedinho já estava à beira da piscina para ioga e meditação, vendo o sol nascer e iluminando o espírito de paz e altruísmo…

partiu: posicionar mesas, arrumar o bar, preparar o que comer para os quase 30 voluntários… e os primeiros visitantes chegam…

 

 

 

18:00 a banda Coanda de groove/funk/soul começou e detonou… dançando sem parar…

Eu, como não poderia deixar de ser acho, trabalhei no bar…. servindo, sugerindo, repondo mais garrafas… bebericando um pouco, rindo outro pouco…

 

 

 

 

Domingo repetimos a dose, desta vez com a banda Rwoods de pop/folk/blues… fruto local ! E fomos até terminarem as garrafas … do bar foi tudo, os pés e pernas cansados de tanto dançar…. a cabeça sem dor…. – vinhos naturais – pouco ou zero sulfito… enfim… um belo final de semana… recomendo para quem ama musica, vinho, e regiões não turísticas da França ….

Estiveram presentes os vinhateiros:
Le vignoble du rêveur (Alsácia), Matthieu Dumarcher (Rhône), champagne Fleury, La Grange Tiphaine (Loire), Clos 19bis (Bordeaux), Jean-Yves Devevey (Bourgogne), le Mas de la lune (Roussillon), Jean-Philippe Padié (Roussillon), Gut Oggau (Autriche) et Oriol Artigas (Catalunya/Espagne).

Final de Festa…..

Emmanuelle Milan com seus lindos vinhos da Alsácia !!!

Degustações em Jan Fev 2018

Não foi fácil, haviam várias degustações em dois pontos da França:
Montpellier (BioTop, Millesime Bio, Les Affranchis, Les Vigneron de L’Irreel, Roots 66 and friends – além da festa do Cochon no Dominio de Sulauze, é claro),

e depois no Loire (Salon St Jean, Les Anonymes, Wine Off Angers, Les pénitentes, La Dive Bouteille) …

E logo após, os dois salões em Barcelona (BVN – Barcelona Vins Nus e Vella Terra)

Como cobrir todos? simples: não dá…. abaixar a ansiedade e ir aos salões onde eu consigo trabalhar mais tranquilamente, e vamos que vamos.

Neles eu tinha muita coisa para fazer: provar as cuvées 2017 dos 15 produtores com que trabalhamos; encontrar e provar os vinhos de vinhateiros amigos, provar vinhos que vislumbro levar ao Brasil, conhecer novos vinhateiros, novos vinhos, beber um pouco :-) e viver muito !

Estou muito feliz pelo que consegui… Consegui rodar vários salões e encontrar os queridos Causse-Marines, Pothiers, La Colombière, Sénéchalière, Milan, JPPadié, Jean Ginglinger… etc… bom bom…

e provei muita muita coisa nova, encontrei amigos, foi corrido, travei as costas, enfim… aventura !

 

Degustação ZERO SO2

Degustação de todos os vinhos que trabalhamos desses dois vinhateiros ! Todos Naturais, todos de agricultura orgânica, passado pela biodinâmica, todos veganos, sem colagem animal e sem SO2 adicionado.
Pequenos vinhateiros que sem alarde, nem marca, nem moda, fazem apenas bons vinhos ! ZERO SO2 é resultado de longos processos pessoais de evolução técnica nos vinhedos e na vinificação.

Conhecer um vinhateiro provando o máximo de cuvées e safras possível, permite entender ainda mais o trabalho e os vinhos de … provaremos 9 cuvées no total.

Vallat D’Ezort – no Gard / Languedoc : Alegria Rouge 2016, Alegria Rosé 2016, Fantastica 2013 e Estrella 2013

Jean Ginglinger na Alsácia: Riesling 2016, Pinor Gris 2015, Pinot Blanc 2016, Gewurztraminer 2015 e Pinot Noir 2016

E destaque para 3 cuvées que serão apresentadas pela primeira vez no Brasil.

local: Jardim dos Vinhos Vivos, r Harmonia 239, Vila Madalena, São Paulo –
dia 03/02/18 das 14 às 19hs

DESTAQUE DO MES – Jan2018 – Cuvée Laïs Blanc 2015

Destaque do mês de Janeiro !

Começa o ano:  FELIZ VINHO NOVO …. Cuvée Laïs Blanc 2015, do Olivier Pithon do Roussillon é o destaque do mês de janeiro !

Um vinho feito com uvas orgânicas e em biodinâmica de Maccabeu, Grenache Blanc e Grenache Gris, colheita manual (muito legal), prensagem direta, vinificado parcelarmente para controlar todos os solos de Calce – que diferenças !!! (veja na primeira degustação de abril 2016), fermentação e maturação em tanques de concreto e barricas de carvalho antigas e novas. Sem colagem, com uma filtragem leve no engarrafamento e baixas doses de SO2 na fermentação e no engarrafamento.

Uma bela safra a 2015, mais austera que a 2014 mas que permitiu uma boa concentração de aromas e gostos mais complexos.

#garrafadomes #garrafalivre #vinhonatural #olivierpithon

Começa 2018 cheio de degustações na França

Começa o ano e entre o trabalho de poda nos vinhedos , os vinhateiros franceses se distribuem numa série de eventos, festas, degustações…. para mostrar seus vinhos !

Mostrar o que vem por ai !

Temos que continuar nossa seleção e nossos encontros, sempre !

Dois focos geográficos dividem este final de janeiro e inicio de fevereiro: Montpellier e Angers

Em torno de Montpellier, vamos passar:

 Fête du Cochon – Domaine Sulauze

 

 

 

 

 

 

 

 

Já em Angers/Saumur se sobrevivermos iremos a:

 

 

 

 

 

 

 

QUEM VIVER VERÁ !!!!! ou QUEM BEBER BERÁ !!!!

DESTAQUES do MÊS de Dezembro – ESPUMANTES

DESTAQUES do MÊS – ESPUMANTES
Champagnes e Espumantes para as FESTAS que estão chegando !!!!

Festejar, com bolhas, com vida, com complexidade e leveza, com beleza…. estes pontos nos motivaram a buscar uma seleção de espumantes e champagnes para todos os momentos. 

Pleasure without champagne is purely artificial” Oscar Wilde….. why not?

Trazemos três Champagnes do Laherte Frères, considerado um dos 15 melhores produtores de champagne: 

Extra Brut Ultradition –  um vinho extremamente refinado, complexo que realmente traz o terroir bem tratado de Chavot para a taça. Pinot Noir, Chardonnay, e Pinot Meunier

Rosé de Meunier – de uma fineza ímpar com a profundidade do Pinot Meunier mas com o frescor do terroir (solo, clima, cultivo e vinhateiro ), rosê sem preconceitos

Blanc de Blancs Nature – nossa paixão e preferência ! Chardonnay, não dosado, super vivo, equilibrado, que implora frutos do mar, ostras, crustáceos, ovas de esturjão ou não, e um peixe ou cru ou em ceviche.

E para abrir o leque completamente, dois “petnats” (Espumantes naturais) feitos por vignerons que têm tudo a ver com a Garrafa Livre: alegres, engraçados e descontraídos , sem perder a seriedade com que fazem seu trabalho! Ambos sem SO2 adicionado, ambos deliciosos em todas as situações. Estes dois têm recebido uma atenção especial de restaurantes gastronômicos no Brasil, vale provar.

Presqu’ambulles 15, do Causse Marines, no Gaillac, sudoeste francês, 100% Mauzac. A tradução e o trocadilho do nome…. significa quase em bolhas… ou…. preâmbulo… viva o aperitivo e as entradas !!!!

Super Modeste 16, do Sulauze, na Provença, feito com Vermentino e Ugni blanc. Modesto só no nome, mas um vinho generoso, vivo e fresco, feito para compartilhar e festejar !

Destaque do Mês – Novembro 2017 – ALEGRIA Rouge 2016

Destaque do Mês – Novembro 2017 – ALEGRIA Rouge 2016

Final de ano chegando:  VINHO NOVO …. ALEGRIA Rouge 2016, do Domínio Vallat d’Ezort no Gard/Languedoc é o destaque do mês de novembro ! Muita Alegria 2016 neste mês de novembro, leve, vivo, frutas e mais frutas…. uva 100% Cinsault.

Cinsault é uma casta que não encontramos muito frequentemente em monovarietais pela dificuldade em trazer delicadeza e complexidade. O desafio do Frederic Martin é de manter uma bela acidez que estrutura o vinho e permite todas as frutas vermelhas se exprimirem….

Aproveite para ver os dois vídeos sobre os Vallat D’Ezort e conhecer mais deste pequeno vinhateiro francês: Vallat D’Ezort com Frederic e Manuela Martin e Degustando os vinhos do Vallat

Roses mitos e fatos…

Sempre achei que o rosê é um belo vinho para um pais de gastronomia variada e temperatura alta como é o caso do Brasil, mas isso era minha visão pessoal…. Para colocá-la à prova decidi começar a levar mais rótulos de vinhos rosê…

Muita gente no Brasil (e no resto do mundo) tem seus preconceitos com os vinhos rosês, que em português eu chamaria de vinhos rosa, mas isso é outra história… e esse preconceito pode vir de varias fontes: mito que o vinho rosê é a mistura de vinho tinto com branco, mito que todo rosê não tem qualidade, mito que todo rosê é doce, mito que todo rosê é feito rapidamente – logo sem complexidade, mito que os vinhos rosês são feitos em grande volume, mito que os vinhos rosês servem apenas para beira de piscina, mito que os vinhos rosês não acompanham refeições, sentimento que o vinho rosê deveria ser mais barato….

Não vou entrar na argumentação escrita, nem semântica, nem filosofia, nem enológica….

Proponho uma prova infalível e factual: degustar a nossa seleção de rosês naturais franceses de variados produtores, variadas uvas, variados métodos, várias regiões…

1. Alegria Rosé 2016 – Domaine Vallat D’Ezort – Gard/Languedoc
2. Vin Gris 2016 – Domaine La Colombière – Fronton/Sudoeste
3. Rosé de Meunier N.S. – Champagne Laherte Frères – Champagne
4. Calice 2016 – Domaine Jean-Philippe Padié – Calce/Roussillon – é um tinto, mas no Brasil é visto como rosé ! sei lá… eu vendo como tinto e os clientes compram como rosê…

 

Depois disso acho interessante quem beber, postar no Instagram  – nos tagando @garrafalivre #rosedagarrafa – com as suas visões !

E rapidamente as visões serão compartilhadas…